baner 01 abr noticias

Agência de checagem Aos Fatos parceira do TSE é condenada por publicar fake news.

Aos Fatos também terá que excluir a reportagem, no prazo de 5 dias depois de receber a intimação da sentença. Além da indenização estabeleceu multa diária de R$ 500 em caso de descumprimento.

Por #ArnaldoBR - MTB0171/RO em 15/05/2022 às 16:06:07
Imagem PINGONOSIS

Imagem PINGONOSIS

Juiz do TJ-RS afirma que texto da agência de checagem é notícia falsa e causou dano ao Jornal da Cidade Online.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul condenou a "agência de checagem Aos Fatos" e sua fundadora, a jornalista Tai Nalon, a indenizarem o "Jornal da Cidade Online" em R$ 10 mil por ter publicado notícia dizendo que o site pró-Bolsonaro fazia parte de "rede articulada de desinformação" com o site da viúva do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Segundo a agência de checagens, o site Verdade Sufocada (mantido pela esposa de Ustra) utilizaria um código do serviço Google Ad-Sense usado pelo Jornal Cidade On-line para monetização, o que comprovaria o vínculo com a "rede de fake news".

O advogado do Jornal Cidade On-line, Emerson Grigollette, solicitou ao Google que a acusação fosse averiguada. A plataforma de buscar disse em relatório: "Não encontramos nenhum registro de que a URL "http://averdadesufocada.com" faça ou tenha feito parte do Programa do Google AdSense."

"Essa informação fez cair por terra a alegação principal da ré [Aos Fatos e Tai Nalon], de que a matéria tida pela parte autora [Jornal da Cidade Online] como ofensiva seria a mera reprodução jornalística de uma notícia, ou seja, um fato verídico", escreveu o juiz Diego Diel Barth.

A Aos Fatos também terá que excluir a reportagem "Rede de desinformação do Jornal da Cidade Online irriga site de viúva de Ustra" no prazo de 5 dias depois de receber a intimação da sentença. Estabeleceu multa diária de R$ 500 em caso de descumprimento.

Fonte: GazetaBrasil

Comunicar erro

Comentários